DAN- Imagens do slide em images/slide/dan

III - EMENTÁRIO DE GRADUAÇÃO

INTRODUÇÃO À ANTROPOLOGIA
O campo da antropologia e o paradoxo da unidade na diversidade: o humano na biologia e na cultura, a evolução humana como processo bio-cultural. Especificidades da Antropologia Social ou Cultural: o conceito de cultura e o princípio do relativismo cultural; o trabalho de campo e a observação participante como o método antropológico. Variedade temática da Antropologia Social: exemplos.

TEORIA ANTROPOLÓGICA 1
Exame das principais manifestações teóricas que contribuiram para a formação de conhecimento antropológico: 1) O século XIX e a teoria da evolução: Morgan, Tylor, Frazer e outros; 2) A formação das tradições: a) A Antropologia Francesa: Durkheim, Mauss e outros; b) A Antropologia Norte-Americana: Boas e seus primeiros discípulos; c) A Antropologia Britânica: Malinowski e R. Brown.
     
TEORIA ANTROPOLÓGICA 2
A disciplina dá continuidade à investigação dos fundamentos teóricos de obras etnográficas seminais, iniciado em Teoria Antropológica I. Nela analisa-se as implicações entre pesquisa e enfoque analítico, a partir de contribuições teóricas propostas a partir da metade do século XX. Além disso, atenta-se para os ecos das questões levantadas em tais obras nos debates antropológicos contemporâneos.

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA EM ANTROPOLOGIA
Introdução e experimentação de métodos de pesquisa etnográfica e sistematização do conhecimento, a saber: pesquisa bibliográfica, observação participante, entrevistas, produção de textos etc. Construção do problema analítico em antropologia. Ambientes de pesquisa e suas especificidades. Ética e antropologia.

SEMINÁRIO DE PESQUISA ANTROPOLÓGICA
Disciplina tutorial voltada a treinar alunos já avançados do ciclo profissional na elaboração de projetos de pesquisa individuais e acompanhá-los nos primeiros passos da abordagem de um objeto de pesquisa real, de modo a habituá-los na aplicação crítica e adequada dos conhecimentos teóricos e metodológicos obtidos em outras disciplinas do curso, capacitando-os a um desempenho satisfatório na disciplina Dissertação e, posteriormente, nas atividades de pesquisa em sua vida profissional.

EXCURSÃO DIDÁTICA DE PESQUISA
Disciplina tutorial constituída por período de prática de trabalho de campo de cento e trinta e cinco dias, supervisionado por um orientador. Visa permitir aos alunos: 1) o desenvolvimento das habilidades necessárias para se introduzir num cotidiano alheio e, desta maneira, passar pela experiência de aproximar-se do estranho e estranhar-se do próximo, que é o aprendizado peculiar da Antropologia; 2) Aprofundar os seus conhecimentos sobre uma sociedade particular e 3) Atingir um certo grau de compreensão dos princípios que regem o convívio na comunidade estudada e que organizam sua visão de mundo. Deve resultar em relatório de pesquisa com compilação de dados necessários à elaboração de dissertação.

DISSERTAÇÃO
Disciplina tutorial voltada à realização de trabalho monográfico de caráter teórico ou resultante de pesquisa empírica, como aplicação de conhecimentos adquiridos durante o curso, e sob a orientação de professor especialmente designado, o qual avaliará o rendimento com a colaboração de outro docente.

TRADIÇÕES CULTURAIS BRASILEIRAS
A disciplina dará ênfase a debates que relacionem etnografias brasileiras recentes nas áreas de cultura popular e folclore com estudos antropológicos que historicizem e problematizem as noções de tradição, folclore, cultura popular e patrimônio imaterial.

ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS
O objetivo da disciplina é fornecer ao aluno uma introdução ao estudo das práticas culturais, sociais e políticas relacionadas à população negra do Brasil, dando ênfase ao campo das relações sociais racializadas em que se inserem: a tensão entre as perspectivas da desigualdade socioeconômica/dominação e da diferença/alteridade cultural como uma questão social e acadêmica em emergência. Os alunos receberão elementos teóricos e empíricos capazes de levá-lo a compreender que a pluralidade ou diversidade historicamente construída da sociedade brasileira não é vivida tranquila e harmoniosamente como deixou entender o mito da democracia racial brasileira. Igualmente, propomos mostrar diferentes tradições afro-brasileiras e fomentar discussões sobre os estudos das relações raciais e inter-culturais em processos tais como a construção nacional, as artes e a religião na cultura popular, os movimentos de democratização e o pensamento filosófico no Brasil.

ANTROPOLOGIA ECONÔMICA
Analisar comparativamente os diversos sistemas econômicos em suas relações com a totalidade social da qual fazer parte. A ênfase principal recai sobre as economias arcaicas e primitivas, e sobre as economias camponesas, buscando desvendar sua lógica própria.

ANTROPOLOGIA DO GÊNERO
O objetivo da disciplina é fornecer ao aluno uma introdução sobre a formação e transformações do campo de estudos de gênero, assim como sobre a abordagem antropológica do gênero. Temas como construção e desconstrução de identidades sociais, sexuais e de gênero serão abordados, assim como a intersecção entre diferentes marcadores sociais e gênero.

ANTROPOLOGIA POLÍTICA
Estudo das formas de organização política em sociedades sem estado, como proto-estado e com estado. Chefias e lideranças. Poder e autoridade. As interrelações entre o político, o social, o econômico e o religioso.

ORGANIZAÇÃO SOCIAL E PARENTESCO
Focaliza a problemática social e do parentesco através da análise dos esquemas conceituais que embasaram a teoria antropológica. A noção de estrutura em tradições antropológicas diversas. O parentesco em sociedades tradicionais e modernas, aprendido através de diferentes abordagens teóricas.

SOCIEDADES INDÍGENAS
Estudo dos aspectos sociais, econômicos, ecológicos, políticos, rituais, mitológicos, mágicos, religiosos e cosmológicos integrados em totalidades, através da leitura e discussão de monografias sobre algumas sociedades indígenas.

SOCIEDADES CAMPONESAS
A disciplina tem como objetivo analisar comparativamente diferentes grupos camponeses através do tempo e espaço, enfatizando suas especificidades quanto à organização econômica, moralidade, imaginários bem como suas relações sociais. Destaca-se ainda a análise de seu processo adaptativo face à modernidade assim como suas formas de inserção e relacionamento com outros grupos. Ênfase especial será dada a grupos camponeses brasileiros de distintas origens, através do estudo de monografias que abordem as dimensões acima especificadas.

SOCIEDADES COMPLEXAS
Esta disciplina examina a origem, a abrangência e a pertinência do conceito de "sociedades complexas" para a antropologia e seus modos de construção de conhecimento. Trata de distintos investimentos teóricos dedicados à plausibilidade contemporânea de enquadramentos analíticos como política, economia, ciência, religião, modernidade, dentre outros.

ANTROPOLOGIA DA ARTE
Apresentação do campo da antropologia da arte: a história de sua constituição, o debate sobre o conceito de estética e as diferentes abordagens teóricas no estudo antropológico das manifestações artísticas. Discussão crítica sobre temáticas recentes no campo: identidade e alteridade; apropriação e colecionamento; produção, mediação e circulação.

ANTROPOLOGIA DA RELIGIÃO
O objetivo da disciplina é fornecer ao aluno a introdução e fundamentação de uma perspectiva antropológica para os estudos sobre religião, religiões e religiosidades. Será abordada a trajetória dos estudos antropológicos de religião, as teorias, etnografias e conceitos, através da leitura e discussão de estudos clássicos e contemporâneos do campo de estudos. Será trabalhado igualmente os desdobramentos temáticos e as articulações entre religião e outros temas contemporâneos.

IDENTIDADE E RELAÇÕES INTERÉTNICAS
A disciplina examina algumas contribuições da antropologia social para o estudo das relações interétnicas e da identidade étnica focalizando, sobretudo, o Braisl. Examinam-se noções de "aculturação", "transfiguração étnica", "fricção interétnica", e "situação histórica", assim como os conceitos de "identidade étnica", "etnicidade" e "cultura". Em seguida, apresentam-se alguns exemplos de trabalhos contemporâneos sobre o contato interétnico, dimensões da política indigenista e dos movimentos indígenas contemporâneos, e o papel do antropólogo em realizar laudos periciais. Aborda-se a interface entre nacionalidade e etnicidade entre povos indígenas em fronteiras. Examinam-se os processos contemporâneos de reelaboração étnica entre povos indígenas. Discutir-se-á novas identidades coletivas categorizadas pela antropologia como populações, comunidades ou povos "tradicionais", como o caso dos quilombolas.

INDIVÍDUO, CULTURA E SOCIEDADE
Os problemas e os desdobramentos do par conceitual indivíduo e sociedade. A fenomenologia de Alfred Schutz e da sociologia de Georg Simmel. A perspectiva interacionista de Erving Goffman. Aspectos afetivos e cognitivos da interação entre pessoa e coletividade. Conflito, identidade e intersubjetividade. Indivíduo, cultura e o sistema das relações sociais na antropologia

CULTURA E MEIO AMBIENTE
A percepção contemporânea a respeito do meio-ambiente e as abordagens ecológicas no âmbito da teoria antropológica. Conhecimentos tradicionais sobre o ambiente e o debate acerca do patrimônio cultural e natural. Panorama da questão ambientalista (sobretudo unidades de conservação), enfatizando a ação do Estado, dos movimentos sociais, das organizações não-governamentais e das populações autóctones e o debate sobre a biodiversidade. Desenvolvimento de pesquisas científicas e suas relações com os conhecimentos tradicionais – controvérsias e aspectos legais. A crise ambiental na percepção social.

PENSAMENTO ANTROPOLÓGICO BRASILEIRO
A disciplina objetiva apresentar e discutir as várias faces do pensamento antropológico brasileiro, desde os primeiros estudos vinculados à tradição de médicos antropólogos, as primeiras etnografias realizadas no Brasil, passando pelas diferentes correntes intelectuais que influenciaram a produção antropológica nacional. A presença dos antropólogos estrangeiros que residiram e lecionaram no Brasil. A criação das primeiras pós-graduações em Antropologia no país e a formação/atuação dos profissionais delas egressos. A apresentação dos principais debates acadêmicos desenvolvidos no Brasil e a avaliação das tendências teóricas dos principais autores contemporâneos.

ANTROPOLOGIA URBANA
Introdução à produção teórico-metodológica da antropologia urbana tanto no sentido de situar uma antropologia "na" cidade quanto no da elaboração de um olhar antropológico sobre a produção material e simbólica de espacialidades e sociabilidades urbanas. Apresentação de instrumentos para a produção de pesquisas em contextos urbanos, discutindo trabalhos etnográficos realizados em contextos diversos, principalmente no Brasil, e elaborados sob diferentes perspectivas teórico-metodológicas.

ANTROPOLOGIA DA SAÚDE
O adoecimento como fenômeno social, cultural e historicamente construído. As concepções culturais de saúde, doença, sofrimento, distúrbio, infortúnio e também cura, cuidado, convalescência, paliação, morrer e morte. Configurações do encontro clínico, dos serviços de saúde e das políticas voltadas à saúde. O pluralismo médico e os diferentes terapeutas elencados para curar e tratar. Protagonismo e organização de pacientes. O campo da antropologia da saúde no Brasil e na América Latina. Diferenças e aproximações entre antropologia da saúde e antropologia médica.

ANTROPOLOGIA DA MÚSICA
Estudo da música como cultura. O lugar das práticas musicais nos processos de reprodução sociocultural. Relações entre música e linguagem. Etnografia da música.

Notícias e Eventos

 
Informe do PPGAS
 As inscrições para os processos de seleção para mestrado e doutorado do PPGAS estão abertas. Os editais encontram-se disponíveis na guia "Pós-Graduação" deste site e no site do DPG da UnB (http://www.dpg.unb.br/index.php?option=com_content&view=article&id=527&Itemid=422).
linha01
Monitoria de Graduação - 2017/2
Inscrições abertas
Período: 04 de julho a 09 de agosto de 2017
Seleção: 11 de agosto de 2017
linha01
II Reunião de Antropologia da Saúde
8 a 10 de novembro de 2017
linha01
Manifestação de repúdio ao Relatório Final da CPI FUNAI e INCRA 2